Lisboa é a capital e a maior cidade de PortugaL. Localizada a 15 km do Oceano Atlântico, e nas margens do rio Tejo, esta é considerada “Melhor Cidade Destino” e “Melhor Destino City Break” a nível mundial, pelos World Travel Awards.

Depois de pertencer aos romanos, aos visigodos e árabes, em 1256 Lisboa tornou-se a capital de Portugal. Em 1755, a cidade sofreu um forte terramoto, tendo ficado praticamente destruída. Foi restaurada apenas no final do século XVIII. Tendo sobrevivido também à invasão do exército de Napoleão entre 1807 e 1811, esta capital europeia já passou por muitas atribulações na sua história, mas manteve sempre a sua beleza e encanto.

É impossível encontrar críticas negativas sobre os pontos turísticos de Portugal, e Lisboa, sendo a sua capital há tantos séculos, não poderia deixar de ter muitos lugares interessantes para os turistas visitarem.

Como passear por Lisboa

Os transportes públicos de Lisboa incluem autocarros, elétricos, elevadores, metro, comboios, táxis, Uber (e outros semelhantes) e ferrys. A cidade possui muitos elétricos antigos e elevadores com mais de um século, portanto, o transporte na capital portuguesa é, de fato, uma atração turística. Subir no elevador de Santa Justa ou percorrer as estreitas ruas de elétrico, é imperdível.

Os seus Bairros

O bairro histórico de Belém, atrai os turistas pelos seus monumentos famosos. Foi a partir daqui que Bartolomeu Dias foi o primeiro a percorrer o Cabo da Boa Esperança, que Fernão Magalhães e Vasco da Gama, e Cristóvão Colombo pararam as suas caravelas após a descoberta do Novo Mundo. A área está repleta de atrações, sendo as principais o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém.

O bairro da Ajuda é repleto de locais históricos interessantes. Os turistas podem visitar o Palácio Nacional da Ajuda – a antiga residência da família real, o Museu dos Coches com uma coleção única de carruagens, o Museu Etnográfico Nacional com uma rica coleção de objetos culturais das antigas colónias portuguesas e o Jardim Botânico da Ajuda.

A Baixa é também um bairro histórico, mas no coração de Lisboa. Construído no século XVIII pelo Marquês de Pombal, tem amplas avenidas e casas austeras, e é um bairro residencial de prestígio. É o centro de restaurantes, cafés, confeitarias e um local popular para fazer compras.

Bairro Alto

O Bairro Alto, o mais pitoresco bairro de Lisboa. Foi fundado no século XIV, e foi o bairro de eleição para artistas e escritores se estabelecerem ao longo dos séculos. Após o terramoto de 1755, esta área foi reconstruída, sendo hoje a referência para compras e vida noturna da capital.

Alfama

Alfama é outro bairro com muita história. A influência mourisca ditou os seus traços arquitetónicos, com ruas estreitas e casas brancas. Durante o terramoto de 1755, a área de Alfama ficou praticamente ilesa, o que permitiu preservar muitos edifícios históricos na sua forma original. Mantiveram-se partes da muralha mourisca com uma torre de vigia no Largo de São Rafael, as suas ruas estreitas com casas brancas e as igrejas medievais.

Chiado

O Chiado é um bairro histórico e romântico, repleto de teatros, livrarias, cafés antigos, joalherias, lojas de moda e restaurantes de luxo. A maioria dos edifícios do Chiado, construído no século XVIII, foi reconstruída na década de 1990, após o enorme incêndio que consumiu, quase na totalidade, os seus armazéns. Uma das atrações locais é o Elevador de Santa Justa, que liga a Baixa ao bairro do Chiado, e leva os visitantes diretamente ao Convento do Carmo, que hoje abriga o Museu Arqueológico.

Basílica da Estrela

A Basílica da Estrela, é um monumento arquitetónico do século XVIII. A basílica foi erguida pela rainha Maria I de Portugal como agradecimento pelo nascimento do seu filho, D. José – Príncipe do Brasil. No interior destaca-se a decoração com três tipos de mármore: cinza, rosa e amarelo. Em frente à basílica é possível dar um passeio e descansar no bonito Jardim da Estrela.

Castelo de São Jorge

O Castelo de São Jorge fica no centro histórico de Lisboa. A antiga fortaleza esteve na posse de romanos, visigodos e mouros. Em 1147, o castelo passou para o primeiro rei português, D. Afonso Henriques. Desde então, é considerado um dos símbolos da cidade. Hoje em dia, no castelo é possível ver uma impressionante coleção de armas, ou visitar o museu arqueológico. As vistas panorâmicas deslumbrantes de toda a cidade, com telhados vermelhos e o rio Tejo ao fundo, “obrigam” a uma visita a este ponto turístico.

Rua Augusta

A Rua Augusta é a mais antiga rua de Lisboa. Pela sua importância na cidade, a rua pode ser comparada à Rambla em Barcelona.

Esta é a maior rua pedestre da capital portuguesa, bem como a principal parte comercial da cidade e um dos locais favoritos dos turistas. Liga à Praça do Comércio e é ladeada por edifícios antigos e magestosos. Com as suas belas calçadas dispostas em mosaicos, cafés ao ar livre, muitas lojas de marca, artistas de rua, músicos talentosos, nesta rua há de tudo para todos os gostos. Um clima maravilhoso e tanto para ver, é o que os turistas encontram ao caminhar pela Rua Augusta.

Arco da Rua Augusta

A principal atração da Rua Augusta é o seu Arco do Triunfo, decorado com várias estátuas e um imponente relógio, no seu topo encontra-se uma plataforma de observação. A construção do arco começou em 1775, e a sua construção acabou por estender-se por muitos anos. Acabou por ser inaugurado apenas em 1875. No entanto, só foi permitido subir à plataforma de observação a partir de 2013.

A plataforma é visitável toda a semana, das 9h às 19h de novembro a meados de abril, das 9h às 20h de 15 de abril a 15 de maio, e de 01 a 31 de setembro, e comhorário mais alargádo, até às 21h de 15 de maio até ao fim de agosto. Os bilhetes custam 3.60€.

Praça do Comercio

Esta área é o local a partir do qual o rápido desenvolvimento da cidade, como ponto de partida de grandes descobertas marítimas, começou no século XV. Aqui foram erigidos palácios e, posteriormente, um porto, uma empresa de reparação de navios, a casa das Índias e vários prédios administrativos diretamente relacionados com o comércio exterior. Foram as relações comerciais internacionais que contribuíram para o desenvolvimento desta área de Lisboa.

Time Out Lisboa

Localizado no Mercado da Ribeira no Cais do Sodré, o Time Out é, à semelhança do Mercado de San Miguel em Madrid, uma zona de restauração de eleição. Com 35 restaurantes, e uma enorme área partilhada de mesas, onde pode degustar pratos típicos, cozinha de autor, doces ou uma simples bebida, difícil é encontrar um lugar para se sentar. Os restaurantes de alguns dos melhores chefs portugueses estão neste mercado, como é o caso de Henrique Sá Pessoa. É também aí que pode provar os melhores gelados portugueses na Santini.

Torre de Belém

A Torre de Belém é uma fortificação localizada numa pequena ilha que entra no rio Tejo, na zona de Belém. A torre com 35 metros de altura, foi construída em 1521 como parte de um sistema defensivo na foz do rio Tejo para proteger a entrada do porto. Ao longo da sua história, a torre serviu como um forte, um depósito de pólvora e uma prisão. O edifício foi restaurado no século XIX, e em 1983 a torre foi inscrita na Lista do Património Mundial da UNESCO. As vistas da torre para o rio Tejo e para a sua margem oposta são fantásticas.

Mosteiro dos Jerónimos

O Mosteiro dos Jerónimos, está localizado nos arredores de Lisboa, também em Belém. O mosteiro não é apenas um importante edifício religioso, mas também um impressionante monumento da arquitetura portuguesa. Desde o início do século XX, tem o status de Monumento Nacional de Portugal. Está sob a proteção da UNESCO como monumento Património Mundial da Humanidade (desde 1983). Também foi selecionado como uma das Sete Maravilhas de Portugal em 2007.

MAAT

O MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, dá destaque à arte contemporânea em Lisboa. Está localizado junto ao rio Tejo, e a sua própria arquitetura é digna de ser vista e fotografada. O edifício tem 3000 m², e no seu interior, encontram-se a Galeria Oval, a Galeria Principal, o Vídeo Room e o Project Room.

Cristo Rei

A estátua do Cristo Rei em Lisboa é uma das principais atrações da região. Situada na margem oposta do rio, em Almada, oferece uma bonita vista de toda a cidade.

Oceanário de Lisboa e Parque das Nações

O Oceanário de Lisboa está localizado no Parque das Nações. É um dos maiores do mundo, com 7m de profundidade e capacidade de 5000 m³ de água. É habitado por 16.000 animais marinhos de 450 espécies. Aqui é possível ver cerca de 100 espécies de peixes de todo o mundo, incluindo tubarões, raias, peixes lua, barracudas, etc. Além de peixes, o oceanário tem outros animais marinhos e aves: caranguejos gigantes, lontras marinhas, corvos-marinhos, pinguins de Magalhães, entre outros.

Toda a zona do Parque das Nações, onde está localizado o Oceanário, foi desenvolvida por altura da Expo 98. Aqui é ainda possível ver o Pavilhão de Portugal e percorrer os seus mais de 5km junto ao Tejo, a pé, ou de teleférico.

Dicas e conselhos

A gastronomia Portuguesa é das melhores do mundo. Visitar a zona de Belém e não provar o sobejamente conhecido Pastel de Belém, é como ir a Roma e não ver o Papa. Para além das inúmeras iguarias da doçaria Portuguesa, Lisboa, dada a sua proximidade ao mar, oferece nos seus restaurantes excelentes pratos de peixe e marisco. Sempre fresco. As sardinhas ganham na cidade o destaque principal. Durante as festas de Santo António, em Junho, a sardinha é rainha, acompanhada por broa e pelos excelentes vinhos Portugueses.

Devido à grande afluência de turistas a este destino, a cidade foi ficando cada vez mais cara ao longo dos anos. Fica, no entanto, longe dos valores que se gastam em alojamento, restauração e transportes, de outras cidades Europeias como Paris, Londres e até Madrid. É acoselhável escolher restaurantes longe das zonas turísticas com maior destaque, com a Rua Augusta, a Baixa e o Chiado. Assim será possível comer uma boa refeição por preços mais acessíveis.

Existem muitos Tuk Tuk na cidade, o que permite uma grande oferta de meios de deslocação entre as suas 7 colinas, sem perder nada da cidade. Um passeio de elétrico é “obrigatório”, sendo ainda possível passear no rio e em terra nos veículos híbridos que circulam junto às margens.

Beleza do Destino
Custo
Acessos Fáceis