Londres é o centro político, económico e cultural do Reino Unido e a maior cidade das Ilhas Britânicas com uma população de mais de 8 538 689 pessoas. Apesar de Londres ter quase 2000 anos, há pouca evidência da sua longa idade na arquitetura da cidade. Praticamente não existem ruínas antigas, ruas medievais e magníficos palácios renascentistas.

Existem poucas estruturas com mais de 400 anos. Não obstante, a história e o caráter nacional são sentidos em toda a cidade, como em nenhuma outra metrópole do mundo, tornando a capital britânica num dos destinos de eleição de muitos turistas.

Quando visitar Londres

Como na maioria das Ilhas Britânicas, devido à proximidade do mar, a cidade raramente experimenta flutuações acentuadas de temperatura. Os meses de verão têm uma temperatura média de 23°C a 14°C, mas nos dias mais quentes a temperatura pode subir até aos 25°C. Os invernos são frios e húmidos, e às vezes bastante gelados, com temperaturas diurnas entre os 2ºC e os 8°C, até a primavera trazer dias quentes e noites frias.

A precipitação em Londres é comum durante todo o ano, mas geralmente é leve, sem chuvas torrenciais. A neve raramente aparece, principalmente devido à alta densidade populacional na área urbana. Por incrível que pareça, no inverno, o centro de Londres é 5°C mais quente do que nas áreas circundantes.

Os nevoeiros e a poluição atmosférica acrescentaram fama à cidade na segunda metade do século XIX e na primeira metade do século XX. Após o mortal Great Smog em 1952, a lei nacional “On Clean Air”, adotada em 1956, teve efeitos na redução da poluição do ar na capital.

Como visitar Londres

O transporte público em Londres consiste em autocarros, incluindo os mundialmente famosos autocarros de dois andares, o metro mais antigo do mundo e o comboio DLR (metro de superfície). Há ainda os famosos táxis pretos e várias companhias de navegação no Tamisa. São vários os cruzeiros que atravessam o Tamisa.

O centro Histórico

Cerca de 80% dos edifícios históricos da cidade foram destruídos pelo Grande Incêndio de Londres em 1666, após o qual todos os edifícios mais importantes foram reconstruídos.

Hoje, os turistas podem ver a sede da Greater London Authority, onde se encontra o Mayor de Londres, as ruínas da antiga muralha romana da cidade (na Noble Street) e um dos templos mais magníficos da Europa, a Catedral de São Paulo. Além disso, os turistas podem ainda visitar o Museu de Londres e o Monumento ao Fogo de 1666. A aparência arquitetónica da cidade é caracterizada por nítidos contrastes entre monumentos antigos e edifícios ultramodernos, incluindo, por exemplo, o arranha-céus Mary Axe.

Westminster

Westminister é um distrito histórico de Londres, localizado na margem esquerda do Tamisa. Westminster foi fundado no século VII em torno de um mosteiro que existia neste local. O nome “Westminster” traduz-se literalmente como “a igreja ocidental do mosteiro”.

Westminster é um local de visita indiscutível para os turistas, porque é aí que muitas das atrações da cidade estão concentradas. A famosa Trafalgar Square, o Palácio de Buckingham (a atual residência da rainha da Inglaterra), a torre do Big Ben no Parlamento Britânico, a própria Abadia de Westminster (monumento inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO), e a Tate Gallery. Em frente ao prédio do Parlamento está a roda gigante London Eye, que ganhou imensa popularidade entre os visitantes da capital britânica.

Palácio de Buckingham

O Palácio de Buckingham é um dos símbolos mais importantes de Londres e uma das suas atrações mais famosas. Esta é a residência oficial dos monarcas da Grã-Bretanha, onde vive a rainha Elizabeth II, bem como o príncipe Philip, o duque de York, Andrew, e o conde e condessa de Wessex.

O Palácio todos os anos é visitado por mais de 30.000 turistas. A visita ao palácio só é permitida em agosto e setembro, quando a rainha não está. Portanto, a verdade é que nem todos conseguem visitar este magnifico edifício. A cerimónia de troca da guarda é talvez a principal atração do Palácio de Buckingham. Trata-se de uma coreografia militar acompanhada por uma orquestra, que não toca apenas marchas militares, mas também músicas de artistas britânicos modernos.

A cerimónia de troca da guarda acontece todos os dias às 11h30, horário local. Diferentes partes da cerimónia podem ser observados a partir de diferentes pontos. Por exemplo, por volta das 11h é o desfile da cavalaria, que começa com a formação dos militares a cavalo. Por volta das 11h15, eles deixam o local do desfile acompanhados por uma orquestra ao longo da Mall Street em direção ao palácio, e a cerimónia em si começa 15 minutos depois. O preço total do bilhete para visita ao palácio é de 23£. Os bilhetes para crianças dos 5 aos 17 anos custam 13£.

Big Ben

O Big Ben é uma torre de 96 metros, localizada na parte nordeste do Parlamento Britânico em Westminster. Esta atração turística está incluída na Lista do Património Mundial da UNESCO. Embora o nome real da torre seja Clock Tower, costuma ser chamada de Big Ben, Big Tom ou Big Ben Tower. O Big Ben é um dos edifícios mais reconhecidos de Londres e é a sua marca registada, assim como a Torre Eiffell em Paris.

Desde a sua criação em 1859, a torre serviu como o relógio mais confiável da cidade e também esteve envolvida na celebração de qualquer evento de importância nacional. No final do ano, todos convergem para a torre para comemorar o Ano Novo, e todas as estações de rádio e televisão transmitem o count down para a passagem de ano com imagens em direto do Big Ben.

Além disso, o relógio é transmitido live todos os anos no Dia da Memória das Vítimas da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, exatamente às onze horas do décimo primeiro dia do décimo primeiro mês, como sinal de paz. O sino do Big Ben é audível a uma distância de 12Km.

Catedral de Westminster

A Catedral de Westminster é uma das principais igrejas católicas de Inglaterra e do País de Gales, sendo a sede da Igreja Católica Romana na Grã-Bretanha. A catedral foi erguida entre 1895 e 1903, e é única na sua arquitetura incomum no país. O seu interior é revestido com cem tipos diferentes de mármore, a nave é a mais larga de Inglaterra e é decorada com colunas de mármore verde, extraídas das mesmas pedreiras que no século VI forneceram mármore para a Hagia Sophia em Istambul.

Outros pontos turísticos da catedral são a existência de mosaicos muito raros (em relação às outras igrejas inglesas) e uma estátua única, do século XV, da Virgem Maria com um bebé.

Abadia de Westminster

A Abadia de Westminster é um dos edifícios religiosos mais importantes do Reino Unido, um local tradicional para a coroação e enterro dos monarcas do país. A Abadia é também chamada de Igreja de São Pedro. Os bilhetes para a visitar, custam 20£, para crianças 9£, e o bilhete familiar (dois adultos e duas crianças) 45£.

Covent Garden

O Covent Garden foi fundado no local do mercado de vegetais com o mesmo nome, que por sua vez, já se tinha mudado antes, das áreas de pasto circundantes à Abadia de Westminster. O bairro é chamado de terra dos teatros (Theatreland), e é um paraíso para os frequentadores de teatro. Além da Royal Opera House, que é a principal atração do bairro, Covent Garden tem um grande número de palcos de teatro igualmente famosos: St Martin’s, Coliseum, New London Theatre, Teatro de Sua Majestade, Theatre Royal Drury Lane. Além disso, mímicos, músicos e artistas de circo podem ser visto nas ruas deste bairro, entretendo os turistas.

Soho

Talvez o bairro mais colorido de Londres. Este é o centro da vida noturna, a área de bares, restaurantes, lojas, cinemas, clubes e discotecas. Faz parte de Westminster e está localizado no coração da cidade. Segundo a lenda, foi do grito de caça “so-ho” que o nome do bairro teve, supostamente, origem (esta zona da cidade era parte do antigo território de caça do rei Henrique VIII).

Chinatown está localizada em pleno Soho. É popular entre os londrinos e turistas da cidade, com uma abundância de restaurantes chineses, lojas de produtos orientais e casas de massagens.

Mayfair é onde estão localizados os prédios de escritórios caros em Westminster. O bairro recebeu o seu nome graças à Feira de Maio, realizada aqui desde 1686. Além dos escritórios luxuosos, há também uma área residencial moderna e edifícios de missão diplomática, incluindo, por exemplo, a Embaixada dos EUA. As atrações do bairro incluem a Bond Street, a Royal Academy of Arts e o Handel’s House Museum.

Marylebone é também um bairro residencial rico no norte de Westminster. A famosa Baker Street, conhecida pela Casa do Museu Sherlock Holmes e pelo Museu Madame Tussauds, atravessa este quarteirão. Marylebone sempre foi considerada uma das áreas residenciais de maior prestígio de Londres, tendo tido como residentes famosos Lord Byron, Herbert Wells, John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr, Yoko Ono e Madonna.

Kensington e Chelsea

Esta área da cidade, com o status de bairro real, ocupa a parte ocidental do centro de Londres e consiste em 2 áreas históricas – Kensington e Chelsea. É aqui que se encontram os Jardins de Kensington, com o palácio real com o mesmo nome. A parte sul do bairro é uma cidade museu vitoriana, com casas ricas na sua arquitetura. Esta área é conhecida por ter vários museus: Museu da Ciência, Museu de História Natural, o Royal Albert Hall e Royal Geographic Society. Além disso, Kensington é uma meca reconhecida de compras.

Chelsea é outro distrito histórico no centro de Londres. Chelsea não é o bairro turístico mais popular. É uma área residencial luxuosa, construída com edifícios vitorianos, tendo, no entanto, algumas atrações turísticas. Aqui encontram-se o Hospital Militar de Chelsea e Stamford Bridge, o estádio do Chelsea Football Club. Uma característica de Chelsea são os restaurantes italianos caros e as excelentes lojas.

Notting Hill

No norte de Kensington e Chelsea há outro bairro histórico famoso – Notting Hill. Esta tornou-se uma área de prestígio cara nas últimas décadas do século XX, quando as autoridades de Londres eliminaram os conflitos étnicos que surgiram aqui devido à grande concentração de emigrantes hispânicos. A área tornou-se muito popular, principalmente depois de ter sido lançado o filme “Notting Hill”, com Hugh Grant e Julia Roberts. Nessa altura, os preços das propriedades quase duplicaram.

Notting Hill é também conhecido pelo seu carnaval brasileiro, o maior carnaval da Europa, atraindo milhares de turistas. Além disso, abriga ainda o maior mercado de artigos usados e velharias da Europa, o mercado de Portobello.

Knightsbridge e o mega Harrods

Knightsbridge é outro bairro famoso da zona de Kensington e Chelsea. Além de os preços dos imóveis aqui baterem todos os recordes mundiais, Knightsbridge é também famosa pelas suas lojas. Ao longo da rua com o mesmo nome, concentram-se as lojas mais caras dos designers mais famosos do mundo.

Não menos popular é o Harrods, a maior shopping de Londres, onde se encontram mais de 330 lojas que vendem uma variedade de items. Esta luxuosa loja de departamentos ainda tem o seu próprio código de vestimenta. No seu interior, podemos ainda encontrar um espaço dedicado à Princesa Diana e a Dodi Al-Fayed.

Camden

Na região norte de Londres, este bairro era habitado, na sua maioria, por artesãos. Os artesãos locais eram famosos por fabricar relógios, móveis, instrumentos musicais e jóias. No início do século XIX, Camden adquiriu o vasto Regent’s Park e o Regents Canal. Os arredores do canal trouxeram a Camden a fama de “pequena Veneza“.

Entre as atrações desta parte da cidade, vale a pena destacar o Museu Britânico e a Universidade de Londres, as estações de comboios de St. Pancras e Kings Cross, esta última sobejamente conhecida por todos os fãs de Harry Potter. É nesta estação que se pode encontrar a Platform 9¾, que tantas vezes apareceu nos filmes.

Bloomsbury

No sul de Camden, está localizado o famoso bairro de Bloomsbury. Este é o centro da vida intelectual de Londres, tendo tido como moradores famosos Virginia Woolf e Charles Darwin. Bloomsbury é uma área verde de praças, que agora é habitada pelos proprietários de mansões chiques, e estudantes atraídos pela proximidade de muitas instituições de ensino (Universidade de Londres, Academia Real de Artes Dramáticas, etc.).

Torre de Londres

Inspirada em mitos e lendas, a Torre de Londres ergue-se há quase mil anos nas margens do Tamisa, sendo um dos principais símbolos reconhecíveis não apenas de Londres, mas de toda a Grã-Bretanha. Cerca de 3 milhões de pessoas visitam esta atração turística anualmente.

Os tesouros da monarquia britânica são exibidos no quartel de Waterloo, nesta torre. A segurança na Torre é apertada, sendo proibido fotografar as jóias em exposição. A colher de coroação, em prata dourada, e que é utilizada há mais de 800 anos para ungir rainhas e reis com o óleo sagrado, é uma das atrações principais desta exposição. O Ceptro com Cruz (Scepter with Cross), incrustado com o maior diamante do mundo, também pode ser aqui admirado.

Outro diamante mundialmente famoso, Koh-I-Noor ou “Montanha da Luz”, adorna a Coroa Imperial do Estado, bem ao lado de outras coroas, tiaras e placas de ouro. São inúmeros tesouros admiráveis que aqui se encontram em exibição.

De 1 de novembro a final de fevereiro, a Torre está aberta das 09h00 às 16h30, de terça a sábado. Domingo e segunda-feira das 10h00 às 16h30, e de 1 de março a 31 de outubro o complexo histórico funciona até às 17h30. A última oportunidade de entrar é meia hora antes de fechar. Mas como leva em média três horas para visitar toda a exposição, é melhor chegar cedo. O bilhete custa 25£ para adultos e 12£ para crianças de 5 a 15 anos. O bilhete de família (1 adulto e não mais de 3 crianças) custa 45£

Tower Bridge

A Tower Bridge está localizada no centro de Londres, atravessando o rio Tamisa. É um dos símbolos mais reconhecidos de Inglaterra. Esta ponte levadiça atrai milhões de turistas de todo o mundo todos os anos. Mesmo ao seu lado estão o Big Ben, a Torre de Londres e outras atrações do país. A visita à torre custa 9.80£ para adultos e 4.20£ para crianças dos 5 aos 15 anos.

Arranha-Céus Mary Axe

O arranha-céus Mary-Axe, localizado no centro da cidade, tem um design muito incomum. Decorado com vidro verde e com uma forma alongada, o edifício foi apelidado pelos londrinos de “pepino”. A altura do edifício é de 180 metros, sendo considerado um dos mais ecológicos do mundo entre edifícios semelhantes.

Os andares inferiores do edifício estão disponíveis ao público, os restantes são ocupados pela sede da Swiss Re Group. No último andar, o 40º, há um bar que oferece um deslumbrante panorama de Londres.

Casa Sherlock Holmes

O número 221b de Baker Street é tão fictício como o detetive Sherlock Holmes. Os criadores do museu usaram a casa no número 239e, e após anos de disputas, receberam o aval das autoridades de Westminster, para mudar o endereço oficial para o que se tornou mundialmente conhecido nos livros, filmes e séries do famoso detetive.

Hoje em dia, toda a correspondência em nome de Sherlock Holmes é recebida pelos funcionários do museu. Antes, o Royal Mail entregava as cartas ao Banco Nacional da Abadia. Após várias ações judiciais em 2002, as autoridades indicaram o museu, como a organização mais adequada para lidar com o correio de Sherlock Holmes e ter direito ao número de residência 221b.

O bilhete para visitar o museu custa 15£ para adultos e 10£ para crianças menores de 16 anos. O museu está aberto todos os dias, exceto no dia 25 de dezembro. O balcão para comprar os bilhetes, está localizado na loja de recordações, ao lado da entrada do museu. O horário de funcionamento do museu é das 9h30 às 18h00, a entrada é até às 17h30.

Covent Garden

O Royal Theatre (Royal Opera House) em Covent Garden é um dos teatros mais famosos e luxuosos de Londres e de todo o Reino Unido. É o palco principal da Royal Opera e do Royal Ballet (a maior companhia de balé do Reino Unido). A própria rainha apadrinha o Royal Ballet, do qual o príncipe de Gales é seu presidente.

London Eye

A Roda Gigante London Eye é uma atração moderna da cidade. Construída no final dos anos 90, foi inaugurada no dia 01 de janeiro de 2000, marcando a viragem do século em Londres. Por isso mesmo, esta roda é também conhecida como Millennium Wheel. Com 135m de altura, só em 2006 deixou de ser a roda gigante mais alta do mundo. Na margem oposta ao Big Ben, desde as cabines panorâmicas é possível desfrutar de uma vista fantástica de 360º da cidade.

Dicas e conselhos

É muito fácil circular pelos vários bairros de Londres. O metro funciona muito bem e permite aos turistas deslocarem-se entre as todas as atrações turísticas. Os trajetos mais curtos podem (e devem) ser feitos a pé. O ambiente da cidade é fantástico e muito seguro. É comum encontrar câmaras de vigilância por toda a cidade, o que pode dar uma sensação de controlo “Big Brother” a algumas pessoas, mas a nós, sem dúvida, que transmitiu muita segurança, principalmente quando passeávamos à noite.

É impossível visitar Londres sem comer, pelo menos uma vez, o famoso prato Fish and Chips. Esta é uma cidade bastante cara, pelo que optar pelos pequenos restaurantes de rua, principalmente em Chinatown, é uma excelente alternativa para poupar algum dinheiro.

Não deixem de se sentar um pouco, num final de tarde, nos Soho Square Gardens, e de sentir o ambiente vibrante de Picadilly Circus à noite. Se estiverem com tempo, e se a ciência e a evolução humana for um tema do vosso agrado, então uma visita ao Museu de História Natural é imprescindível.

Beleza do Destino
Custo
Acessos Fáceis