O luxo. Nos carros, nas montras das lojas, nos hotéis e galerias. Milão não é só a capital da moda, é a capital do luxo. A imponência dos nomes das grandes marcas nas fachadas das lojas, combina com a imponência dos seus monumentos. Vai viajar até este destino? Então é normal que se pergunte: o que ver e fazer em Milão?

Esta foi a última paragem da nossa Road Trip Italiana. Como tínhamos carro para nos deslocarmos, escolhemos um hotel entre Milão e Como. Assim, acabámos por evitar os elevados valores dos hotéis em Milão, e por ficar entre dois destinos que queríamos visitar, Milão e Lago di Como. O hotel tinha excelentes condições com um preço mais acessível.

Como as outras cidades Italianas, Milão tem restrições de entrada com carros (que não tenham dístico de autorização) nas ruas históricas. Por isso, estacionámos no parque mais próximo do centro histórico e fora desta zona, no Solferino Parking.

Uma vez que só teríamos um dia para visitar esta cidade (sabendo que seria suficiente para “checar” os melhores pontos turísticos), começámos a visita pelas 9h da manhã. Carro estacionado (!ATENÇÃO! no parque pedem para deixar a chave do carro com o segurança, é normal e seguro), seguimos pela Via Solferino.

Edifícios majestosos

E logo percorrendo a primeira rua começamos a perceber o que ver e fazer em Milão! Basta olhar em volta para a beleza dos edifícios que nos rodeiam. Tudo tem estilo e nos prepara para a beleza da arquitectura da próxima, e da próxima e da próxima rua.

Avançamos por esta primeira rua, e um pouco mais à frente, viramos à direita para a Via dei Cavalieri del Santo Sepolcro. Aí encontramos duas pequenas praças a ladear a Basilica di San Simpliciano, a Piazza Paolo VI e a Piazza S. Simpliciano. Esta última mesmo em frente à Basílica, e com pequenas esplanadas onde é possível tomar o pequeno almoço.

Seguimos então para a esquerda em direção à Via Tivoli. É já no final dessa rua, no cruzamento com rua Foro Buonaparte, que podemos ver o Piccolo Teatro Strehler. Um pouco de arquitetura moderna no meio de tanta história 🙂 Em frente vemos o enorme verde do Parque Sempione. O parque mais importante de Milão.

Respirar fundo e descansar da caminhada

Com mais de 47 hectares, para além da agradável sombra das muitas árvores que povoam este parque, é possível encontrar edifícios com muita história! A Fundação Trienal, o Acquario Civico (Construído para a Exposição Nacional de 1906), a Arena Civica (anfiteatro inaugurado em 1806 por Napoleão) e o famoso Arco della Pace.

Ainda neste parque encontramos o Castelo Sforzesco. Este é um dos monumentos mais emblemáticos de MIlão. Aquele que foi inicialmente uma fortaleza e mais tarde um majestoso palácio ducal, passou por várias demolições parciais causadas por conflitos, e é hoje um enorme museu.

Descanso terminado, saímos do Castelo em direção ao Largo Maria Callas para percorrer a Via Dante. Esta é uma das mais importantes ruas comerciais do centro de Milão.

E com tanto que ver e fazer em Milão, depois de passar pelo bonito Palazzo della Ragione, e pela Piazza Mercanti chegamos ao local mais procurado desta cidade, a Piazza del Duomo.

A Galeria Vittorio Emanuele II e o Duomo di Milano

É na Galeria Vittorio Emanuele II que se encontram as lojas mais famosas de Milão. As suas abóbadas no teto oferecem ao edifício uma imponência de nos deixar com a cabeça constantemente voltada para cima. É impossível parar de olhar e parar de tentar tirar a foto perfeita.

Lojas Prada, Gucci, Louis Vuitton e restaurantes com vista para o Duomo. É possível passar algum tempo a entrar e a sair de lojas, e almoçar neste espaço, mas claro, é necessária uma carteira que aguente os altos preços.

A visita turística mais famosa de Milão é sem dúvida a Catedral! São comuns as filas intermináveis para visitar este monumento. Optamos por não comprar o bilhete na Internet por termos apenas um dia para visitar a cidade, e não sabermos antecipadamente se íamos encontrar uma fila longa para entrar com bilhete que nos obrigasse a estar horas à espera. Assim, comprámos o bilhete na hora, apenas para visitar a catedral, o mais simples e com fila mais curta.

Esse bilhete não incluía a subida ao terraço panorâmico, a visita à Cripta e Tesouro, e ao Batistério. No entanto, e uma vez que chovia, permitiu ver a catedral sem estar muito tempo na fila. Os bilhetes podem ser comprados no edifício à direita da Catedral, o Museo del Duomo no Palazzo Reale.

Prioridades e segurança para entrar no Duomo

Como estávamos com uma criança pequena (na altura com dois anos), foi possível entrar por uma fila prioritária. Só descobrimos isto passados 20 minutos na fila. Se forem com crianças não deixem de perguntar aos seguranças se têm prioridade.

A segurança para entrada na catedral é reforçada, com direito a revistar mochilas, bolsas, carteiras e a revista de corpo com detetor. Tenham muita atenção ao que levam convosco para entrar.

!PROIBIDO! Materiais inflamáveis, com excepção de géis de sanitização de mãos e todos os tipos de desodorizante com formato aprox. 100g/169g. Isqueiros, perfumes até 100ml, ganchos/grampos de cabelo e pins de qualquer tipo. Tintas ou outros materiais coloridos (maquilhagem), com excepção de ferramentas de escrita e de desenho. Consumo de alimentos e bebidas de qualquer tipo, com excepção dos produtos farmacêuticos, mesmo se armazenados dentro de recipientes de vidro.

No entanto, se entrarem com crianças até dois anos, permitem a entrada de uma pequena garrafa de água, um pequeno pacote de bolachas e um ou dois iogurtes bebíveis. Nós levávamos isso na mochila e foi permitido.

A caminho do Quadrilatero della Moda

Saimos da Galeria Vittorio Emanuele II no sentido oposto ao Duomo, para a Piazza della Scala. Aí encontramos logo em frente ao Monumento a Leonardo da Vinci, o famoso Teatro alla Scala. Seguimos então pela Via Case Rotte, paralela à Piazza della Scala, passamos pela Chiesa di San Fedele até chegar à Piazza Filippo Meda. Entrámos assim no Quadrilatero della Moda ou Quad d’Oro.

Este é mais um local de Milão repleto de lojas de alta costura. Jimmy Choo, Armani, Balenciaga, Stella McCartney, Alexander McQuenn, entre tantas outras lojas. Entre estes palácios da moda, encontramos palácios históricos como o Palazzo Anguissola, Palazzo Belgioioso, Palazzo Melzi di Cusano, Palazzo Brentani Greppi, Palazzo Tarsis, Palazzo Morando. E ainda a Basilica di San Babila e Basilica of San Carlo al Corso.

Depois de explorar todo o Quad d’Oro, pode ainda dar um salto ao Museu Cívico de História Natural de Milão. Ou se o tempo já estiver a apertar, seguir para o parque de estacionamento, pela Via Fatebenefratelli até encontrar novamente a Via Solferino.

Outros destinos no Centro Histórico e fora

Se estiver em Milão por mais dias, não deixe de visitar, ainda no centro histórico, a Basílica de Santo Ambrósio, a Igreja de San Bernardino alle Ossa, a Igreja de San Lorenzo Maggiore e a Igreja de San Maurizio al Monastero Maggiore.

Fora do centro histórico, passe pela Piazza Gae Aulenti, a zona mais moderna de Milão e pelo Cemitério Monumental. À partida parece tratar-se de um local pouco atrativo para uma visita turística. Mas o Cemitério Monumental é rico em lápides de alto nível artístico, sendo um verdadeiro museu ao ar livre.

Beleza do Destino
Custo
Acessos Fáceis